domingo, 14 de maio de 2017

Alguém em algum lugar

Não foi o mais longe que já consegui
Outrora cheguei ao outro lado do mundo
Esta foi uma longa viagem com tudo o que vi
Foi como um mergulho em mar profundo

Ah, que calma!
Ah, que beleza!
Ah, a sua alma
Ah, a sua clareza

Nunca senti aquele frio
Me tornei fã daquele clima
Buzinas sem darem um pio
Todos numa adorável rotina

Os largos e retos caminhos,
terminavam em algum paraíso
Como pássaros em seus ninhos,
num lugar onde voar é preciso

As companhias agradabilíssimas
Aprendi com todos, as suas histórias
De Osho, ditaduras, até aos comunistas
Dos dias difíceis e também os de glórias

Nunca falei tanto
Nem havia ouvido tanto também
Falei até em Esperanto
Diálogos que foram muito além

No final um mestre falou por alguns minutos
Todos estavam ali para vê-lo, dedicados
Um líder que conquistou o coração de muitos
Exceto daqueles que o querem crucificado

Se você fala de paz, você gera a guerra
Se você declara guerra, paz não há
Ninguém anda sem suas próprias pernas
Ninguém possuído de ódio irá amar

O que seria de nós sem um mestre?
E o que seria de um mestre sem os seguidores?
O mesmo que o oeste sem o leste
O mesmo que os lápis sem apontadores

Nos guiaríamos como?
E como escreveríamos?
Andaríamos sem rumo,
e sem leituras, morreríamos

O mestre falou, utopia renasceu
A benevolência enfim ganhou vez
A simpatia mútua só cresceu
E a ideologia ganhou solidez

Um comentário: