sexta-feira, 17 de março de 2017

Terror

Viver longos dias na escuridão é impossivelmente humano, quanto mais quem já não possui mais seu corpo físico e seus propriedades. Eu não podia falar por durante muito tempo, nem muito menos ouvir nada, nem meu próprio pensamento. Era somente eu, e mais eu, no completo escuro, na completa solidão quando me dei conta de minha situação. Até hoje estou assim… Minha consciência se dividiu em partes que não consigo mais juntar.  Quando tento não sei o que passou, se horas, um dia, ou meses. Eu chorava, me agonizava, sorria de loucura, fingia estar bem, amedrontava-me, enfim... que terror! O eterno terror.

O escuro é pesado ele não deixa você pensar, raciocinar, sorrir, nem chorar. A gente quer fugir, mas acaba ficando preso, porque aqui - e na verdade não sei nem onde estou - o espaço-tempo é relativo. Você corre, corre, corre e não sai do lugar. É como se estivesse querendo buscar água numa fonte em que seu trajeto é infinito, é um destino inalcançável. Você só se esforça e se desgasta e mais nada. Só há escuro, breu. O pensamento lhe acompanha, mas nada faz. Isso quando ele não atrapalha. Ele (o pensamento) lhe deixa à sorte, à mercê de algum milagre. Algo impossível por aqui. Não há milagres no inferno. Você se salva, por aí só ou... Não é fácil atravessar certas cavernas, certos buracos que nos metemos na vida, digo também no pós-vida.

Existe muito escritor, muita gente que fala do medo, cita o medo, faz obras relatando o que é o medo, romanceiam o medo, mas eles não têm ideia do que realmente ele é quando se está sozinho em um lugar irreconhecível, inóspito, escuro, sombrio, frio e sem nenhum barulho. A solidão passa a ser a melhor amiga, a maior companheira. É a coisa mais inteligente que temos ao nosso lado neste momento fúnebre. Pode nos salvar, sim! Mas pode nos matar mais ainda se a cabeça estiver fraca.

Os dias se tornam minutos; os minutos se tornam anos. Tudo é relativo, tudo é complexo, nenhum ser humano, o mais inteligente que se tem na aí na Terra, ou que se teve na terra, conseguiria viver em paz e viver serenamente em tais condições aqui. Nao sei quanto tempo já passou desde quando eu tomei ciência de que já tinha morrido. Isso tudo é uma loucura inexplicável. A mente humana do encarnado, a mente humana e o corpo físico são enigmáticos demais para mentes fracas. O corpo humano é tão perfeito que complica o Ser, de quem faz uso dele em vida. E a mente? É tão perfeita que o ser humano que a carrega, não a compreende nem 0,1% de sua capacidade intelectual, mental ou qualquer coisa de si mesmo. Agora imagina um ser com uma consciência normal, dotada de uma inteligência básica, uma pessoa comum, diga-se de passagem, que está sem as amarras do corpo físico, ou seja, que está solta pelo vasto mundo além-túmulo? Basta pensar, que tudo acontece. Tudo mesmo! Agora, como é que alguém perturbado vai pensar coisa sã deste lado de cá? Não terá paz com sua consciência. Sua própria consciência, a sua própria mente é o agente perturbador. O meu ser, o meu núcleo, o que gera minha vida é algo que me perturba. Isso é tão nefasto! imagine, uma pessoa em completa escuridão, solidão uma hora dessas? Você está em seus lares com suas famílias, não irão pensar nisso nunca e eu desejo que não. Mas aqui… Impossível tentar ficar são. Não cheguem nem perto do que eu estou passando porque não há coisa pior. Então, portanto, sejam felizes! Mas sejam felizes plenamente. Não se enganem, não enganem a si mesmos. Sejam felizes plenamente porque se vier parar aqui por falsa felicidade ou por falsa esperança, por ilusão, egoísmo, vingança, desejos pútridos, o sofrimento terá o tempo de uma eternidade e o peso e a temperatura de dez Plutão.


Por isso façam ações caridosas e vossas orações mesmo para quem vocês não conhecem, ou a quem vocês dirige elas são de suma importância para os desencarnados e para mim também que estou aqui. Essa situação é como se fosse um livro. Vocês quando tem problemas, quando tem dúvidas, quando querem ir em busca de alguma informação técnica de uma atualização ou ajuda, vocês consultam livros, consultam uns aos outros, profissionais, amigos e parentes. Eu, nessa escuridão, no silêncio, vou consultar o que em minha consciência perturbada? Vou chamar qual amigo ou parente para me livrar dessa situação? Não dá mais, já morri e meus parentes e amigos estão do outro lado. Nem entes queridos que morreram antes de mim estão me consolando… Deus é maior, mas Ele não pode me ajudar. Sendo que eu não quero ser ajudado. Ninguém pode me ajudar a não ser eu mesmo. Já clamei por Deus, Jesus, e… nada mudou. Eu cheguei a conclusão de que preciso mudar a mim mesmo em primeiro lugar.Mas é muito difícil. O apego, a luxúria, o prazer… O ego… Minha mente ainda está muito nebulosa. Não estou sadio. E pelo que percebo estou sem fé alguma. Minhas orações e pedidos de socorro são da boca pra fora, eu sei. Sou fraco. Mereço isto tudo aqui. Realmente ninguém virá. Não tenho condições e ninguém tem condições nessas horas. Dependemos de vocês aí. De vossa intervenção. Intermediem então. Me aliviem as dores. Uma luz de vossas orações que chegue aqui já é uma distração. Por favor, orem por mim, por nós aqui nesse inferno. Nos ajude e não nos tirem como o maus espíritos. Somos seres, fomos humanos, somos ainda uma consciência que deixamos a vida material.Deixamos nossos problemas físicos e entrelaçamos em outros espirituais. Todos nós temos problemas. Hoje estamos nós aqui, já amanhã estarão vocês aqui. Desejo que não, mas do jeito que a humanidade se encontra, do jeito que a humanidade caminha, tudo leva a crer esse lugar que ficará abarrotado de vocês, com almas opacos, perdidos, precisando de ajuda. Dá ajuda que eu imploro. E nós aqui não podemos nos ajudar. Não! Porque nós aqui não conseguimos enxergar uns aos outros e nem ouvir uns aos outros. Nem sentir. Portanto, repito: dependemos de vocês e vocês dependerão de seus próximos, no futuro. Orem por nós.

Uma eterna gratidão de um ser sem luz e sem ninguém e sem nem a si mesmo para poder seguir em frente. Quero muito sair daqui orem por mim.

Castro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário