domingo, 25 de dezembro de 2016

A Reforma

NOSSA MISSÃO NÃO SERÁ CUMPRIDA
PORQUE ELA SERÁ MUITO COMPRIDA
NÃO SEI SE IREMOS CUMPRÍ-LA
TALVEZ POSSAMOS COMPRÁ-LA
MAS UMA COISA EU SEI:
TEREMOS TRABALHO ATÉ O FIM DA VIDA
METADE DO DIA NA LUTA, NA LABUTA
QUE NEM UM FILHO DA PUTA
TUDO ISSO PARA NADA
PRA ENDIVIDADO CONTINUAR
VELHO E DOENTE FICAR
POBRE, FODIDO, ESFOMEADO
PESANDO UNS 40 QUILOS
MAIS UM IDOSO JOGADO NO ASILO
ESTÁ DOENTE A SOCIEDADE
É UMA DOENÇA SILENCIOSA
QUANDO ELA CHEGA NINGUÉM SENTE
EM TODOS OS NÍVEIS ELA SE FAZ PRESENTE
A UNS ELA LOGO DA FIM
OUTROS SE ARRASTAM...
ACHAM QUE SÃO "FLORES NO JARDIM"
DIFÍCIL, DAQUI PARA FRENTE VAI SER
IREMOS NOS FODER
AQUELE MISERÁVEL PRINCIPALMENTE
O COITADO QUE NÃO TEM NEM OS DENTES
QUE VENDE A JANTA PARA GARANTIR O ALMOÇO
QUE SE ENCONTRA NO FUNDO DO POÇO
TEM OS QUE PEGAM TREM LOTADO
PARECE QUE O DIABO VIAJA AO LADO
TODO SANTO DIA ASSIM
A MADEIRA É DURA, MAS DÁ CUPIM
NÃO HÁ JASMIM QUE IRÁ PERFUMAR
SEJA O AR OU A VIDA QUE IREMOS CHORAR
MAS VAMOS DAR PARTIDA NESSA VIDA
PORQUE A MISSÃO SERÁ CUMPRIDA (OU COMPRIDA?)

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

São quarto...


O prazer,
Sensação que se deve esquecer.
É baixa: é o “problema”; é o “querer”, é o “ter”.

A felicidade,
Muda conforme a personalidade.
Algo passageiro, sem novidade.

A alegria,
Um estado melhor, eu diria.
Pode durar poucos dias.

A plenitude.
(Ah, a plenitude!)
Detém a todas as virtudes.
É a soma da razão com a emoção, resultando a quietude.
É o pensamento correto antes de qualquer atitude.

A plenitude é tudo:
Não é nem ser, nem estar.
É sim receber e não buscar.
Buscar algo é "esforço", é "querer".
Esforçar-se é: a paz não receber.
Não faça esforços, apenas seja.
Abra os olhos, apenas veja.
Sinta-se.
Permita-se.
Não corra atrás,

Fique parado, em paz.
Tudo chegará a ti,
O amigo para a caminhada.
O amor que lhe fará sorrir,
Ou ambos na mesma jornada.

O que não vier tudo bem.
Nada lhe afetará,
A plenitude o fará zen,
O amor próprio não perecerá.

Portanto não se esforce, não se desgaste;
Seja leve, esteja consigo, não se arraste.

Caminhe contra o revés,
Deixe que se torne uma diversão.
Aí sim, sinta o mundo aos seus pés,
E viva sem medo e nem ilusão.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Deixar voar, libertar os sonhos

Há cercas, arames farpados,
Esse perculso lado a lado
Uma ancora, forte raiz
Um peso que não condiz
A ladeira molhada
A laje vigiada
É o morro todo
Não é chuva
São tristes lágrimas
O trabalhador
A molecada
Dona de casa
É paçoca, ou cocada?
Coca da vovó?
Ou apenas pó?
O que vende mais:
O bananada ou sacolé?
Qualé?
O luxo aqui carece
Digna é a nossa labuta
Era dia, agora anoitece
Era recatada agora é puta
Tem-se dignidade
O respeito à divindade
Pobre, contudo bem feliz
Em busca dessa tal liberdade
Beber e não ser alcoólatra
Ser religioso e não ficar fanático
Não se torne refém
Nem de si mesmo
Nem de ninguém
Livre-se de tudo
Ate de seu pensamento
Tente em nada pensar
(Fácil não será)
E perceba o livramento
No alto do morro estás
O ponto mais alto
Pássaros
Nuvens
Deus
Acima Dele talvez a liberdade
Talvez o fanatismo
(Não se sabe)
De repente a vontade
De repente o abismo
Melhor da laje descer
Na ladeira correr
Voar baixo
Pois queda alta leva a morrer
Isso não seria voar
Nem sonhos libertar
Correntes para si trazer
Ancoras, raízes
Arames, cercas
Desprazer
Desgraça
Pobreza
Tristeza
Enfim
Liberte-se
Viva até o fim
Seja o senhor de ti
Voe sem asas
Corra sem pernas
O pensamento livre é
Viaje nessa estrada eterna

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Os caminhos...


Eu não falo com Deus
É Ele quem fala comigo
Mostra a mim os religiosos e ateus
Também o pão e o abrigo

Não ando com Deus
É Ele que anda comigo
Exibe-me o caminho dos fariseus
Também o perdão e o castigo

Buda, Deus, Oxalá, Zambi, Alá...
Amém, axé, Namastê, Por nós orai
Não deixemos nosso amor falhar
Pois todos os caminhos levam ao Pai